segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

HISTÓRIAS DE AMOR QUE NÃO CONTEI - 17ª. ANTOLOGIA POÉTICA

Foto de Daniel Costa.

HISTÓRIAS DE AMOR QUE NÃO CONTEI

No último ano de século passado, depois de grande AVC – Acidente Vascular cerebral, pelo hospital fui entregue à família em semi coma, em estado dito, terminal.
Seria assim menos um bom rapaz a cruzar-se com a irmã morte, naquela unidade hospitalar.
Estive naquele estado, cerca de quatro meses.
Nesses tive espaços de tempo de lucidez.
No entanto tinha regredido e como na adolescência me preocupei muito com amores. Sem sorrir nunca me senti triste, mas meus deuses – Com quem casaria, se não tinha namorada!
Numa dessas lucubrações, a filha questionou-me assim:
- “pai mas nas não casaste com a mãe”?
Fez-se então luz no meu espírito, deixei de me preocupar a esse espectro.
Ficava então livre de quaisquer motivos de preocupação.
Outros sonhos podiam continuar.
Possíveis tristezas ou dissabores estavam arredadas. Contra tudo e todos, pensava, ainda viveria dez anos.
Por vezes era o passado, que passava na mente, em jeito de fita cinematográfica, onde os velhos amores se destacavam.
De facto, mercê de usufruir do estatuto de trabalhador estudante, fui subindo bastante na vida, o que deu origem a várias revolução amorosas, a condizer mais com as novas posições sociais, que iam sendo tomadas.
Vou referir dois casos:
- Em determinada altura, trocas de olhares, nas aulas do liceu, resultaram em namoro. A miúda era bastante interessante. A princípio achei que tinha feito a última conquista amorosa da vida.
A breve trecho, ela me telefonava todos os dias, para lhe esclarecer dúvidas sobre todas as lições recebidas na aula. Depressa vi que, a minha nova namoradinha, era um cepo mental.
Porém o namoro continuou, passamos a nos encontrar em deambulações noctívagas pela cidade. Os tempos eram outros e beijar era um caso muito sério.
Tinha até já ouvido, a uma grande senhora a seguinte frase: “quem beija faz o resto”.
Dado o andarmos tardiamente nas ruas da cidade, quando já não se via viva alma. Eu ia pedindo um beijo que sempre foi negado até que lho roubei.
- O que fiz?
A garota desatou a chorar, como se fosse desabar o mundo. Senti-me culpado e julguei que ia ali acabar o namoro.
Mas não, no entanto beijar nunca mais, mas ficaria com a hipótese de ser eu a vir a acabar.
Aconteceram mais alguns encontros noctívagos. Era hábito, levá-la à porta de casa.
Em determinada ocasião, eram cerca de onze horas da noite, passávamos à porta de familiares seus, ela deixando-me na rua, a olhar para a lua, disse: “espera um pouco, vou visitar os meus primos volto já”.
Tanto bastou para eu zarpar. Telefonou depois, para me ouvir – o namoro acabou!
Depois de vários, namoros, veio o último.
À época a trabalhar num escritório de zincogravuras. A casa tendo cerca de quarenta empregados, nenhum era do sexo feminino, portanto dali ideias de namoros não podiam sair.
Como tinha já arreigada a ideia de procurar a perfeição e era considerado, podia fazer horas extras a meu talante. Assim, até nas duas horas de almoço, à excepção de quinze minutos, trabalhava.
Funcionava a verdadeira Internet desse tempo, a revista PLATEIA, da conceituada Agência Portuguesa de Revistas.
Como dispunha de pouco tempo, seguindo bastantes exemplos, coloquei anúncio na secção de namoros.
Dentre as várias respostas, seleccionei uma.
Namorei a escolhida, de acordo com ela viemos a trocar um beijo às escondidas, exactamente numa galeria do metropolitano. Ficou o caminho aberto para mais outros, sempre às escondidas, até ao matrimónio, segundo os ritos da Santa Madre Igreja.
Em vários namoros, mãos dadas, era sempre fruto proibido.
Devo mencionar a figura do “pau-de-cabeleira”, que acompanhava sempre os pombinhos, não fossem os mesmos perderem-se.
Sobretudo no último namoro fui eu, pobre de mim, a pagar três bilhetes por sessão.
Outros tempos, no século passado!...

Daniel Costa


sábado, 17 de dezembro de 2016

A 16ª, ANTOLOGIA POÉTICA EM QUE PARTIC IPO

XX ANTOLOGIA  APP 2OI6, DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POESIA. 
... DE QUE FAÇO PARTE, COMO ASSOCIADO
Ao mesmo tempo a 16ª. em que participo.

Foto de Daniel Costa.

MONTEMOR – o - VELHO

Da cultura é espelho,
Que se reflectiu no Munda,
Montemor – o – Velho
Rio Mondego de corrente fecunda,
Oh!… Munda de outrora, banhas o concelho,
Espraiando cultura profunda
Sentida, até nos arrozais com brilho
Que nos teus poetas é explicanda,
Afonso Duarte, poeta de moldura e caixilho,
Na casa que o seu espírito comanda,
 Ereira que dos arrozais é, toalha
Biblioteca, veneranda
Tendo o poeta como evangelho
Poderá dizer-se, alma profunda!
O velho castelo, relíquia, estribilho
 Cultura museológica é de leccionanda
A recordar árabes e moçárabes, trilho!
Abade João, voz ecoando, intervinda
Montemor – o – Velho,
Vila linda!

Daniel Costa


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

domingo, 16 de outubro de 2016

ANTOLOGIA DE SALVADOR AO BOMBARRAL



CRUZAMENTO COM O CRIME

(embora entretanto, tem saído mais Antologias em tive participação, passo a deixar a presente)

No âmbito do do primeiro, ocorrido ontem, 15/10/2016, no TEATRO EDUARDO BASÃO, no Bombarral, o Evento do Núcleo de Letras e Artes de Lisboa, foi lançada a Antologia SALVADOR AO BOMBARRAL, que participei com a recolha literária CRUZAMENTO COM O CRIME:
CRUZAMENTO COM O CRIME

Se a estrada Peniche – Lisboa, visava o transporte do pescado, daquele grande porto piscatório, para a capital, Lisboa, era mister que o produto chegasse também a outras zonas do pais e nada como o caminho-de-ferro, o transporte por excelência do princípio de século passado.

No areal da praia de Peniche, se bem me lembro, onde hoje se situa a zona portuária, ainda nos anos cinquenta, era possível detectar linhas assentes, por onde havia de circular o comboio e teriam feito parte de uma estrutura planeada para o efeito.
O projecto foi abortado e vários abegões (tratadores e trabalhadores com bois) do concelho, com os seus bois jungidos aos respectivos carros, continuaram ainda a fazer o transporte para a estação ferroviária de S. Mamede, Bombarral.
Do porto de Peniche a S. Mamede distarão cerca de quarenta quilómetros, percorridos em linha recta por entre declives vários, atravessando, uma zona a que se dá o nome de Sezaredas, um comprido cerro onde abunda a pedra e muito mato.
Podemos imaginar o quão era difícil a vida desses abegões, que tinham de se levantar de madrugado para tratar de alimentar os ruminantes. Porém, o peixe era mister chegar fresco à estação para ser expedido para diversas zonas do país.
Conheci alguns desses esforçados homens do transporte do pescado de Peniche, a quem procurei indagar pormenores.
Na mesma época, o pastor de ovelhas, Francisco Caiado, a não regular bem da cabeça, cumpria serviço militar em Lisboa. A determinada altura veio à aldeia em gozo de férias. O transporte corrente, à época, era o comboio e a estação mais próxima da aldeia da Bufarda, Peniche, era a de S. Mamede distante dali, cerca de trinta quilómetros a corta mato.
Chegada a altura de se apresentar no quartel, meteu-se a caminho para a estação, invariavelmente, a de S. Mamede, Bombarral.
Naqueles tempos, os caminhos podiam ser perigosos, podia-se calcorrear os trinta quilómetros sem se avistar viva alma. No caso dos abegões, juntavam-se sempre vários que podiam partilhar ajudas, a dominar possíveis intempéries e outros perigos, numa assinalável entreajuda.
No caso, Francisco Caiado percorria o longo e perigoso caminho sozinho. Aconteceu que em determinada zona de matagal, saltaram-lhe dois meliantes ao caminho e apontando um caso macabro: 
- Metido mais adentro do mato estava um homem morto dependurado, este mesmo fardado de militar, estremeceu e logo temeu pela sua vida.
Encolhido, sem pinga de sangue, ouviu a pergunta destes: 
- Vocemecê conhece aquele homem que está ali dependurado?
- Não!...
- Apressou-se logo a dizer!
- Então siga o seu caminho e, não diga a ninguém o que viu.
De imediato, acelerando o passo, Francisco Caiado desandou!


Daniel Costa

domingo, 19 de junho de 2016

ENCONTRO NO BAR PREGO DE OURO






ENCONTRO NO BAR PREGO DE OURO
Criei este blog, como que, a minha montra literária, postado os meus livros editados e até uma das Antologias em que venho participando.
Porém, este post é dedicado à 11ª. Cuja participação ganhei em concurso da LERARTE – Associação Internacional de Artistas e Escritores (Recife –Brasil) tendo fica entre  20 escritores num universo de 536 escritores do Espaço da Lusofonia.
A Antologia é constituída por 20 contos, ganhadores + 6 a quem a Presidente, Isabelle Valladadares, achou com qualidade de terem Menção Honrosa.
Os meus livros podem der pedidos, com a respectiva morada para:

dan.costa@zonmail.pt ou telefone 932795115.
Serão enviados sem custos de correio, para qualquer país.
O pagamento pode ser em moeda local.
Faça a sua consulta!
Daniel Costa (escritor)

 

domingo, 10 de janeiro de 2016

OS MEUS LIVROS E NONO E DÉCIMO











Estes livros podem ser pedidos ao autor DANIEL COSTA, por telemóvel (no Brasil celular), 932975115 ou Mail dan.costa@zonmail.pt

TOP SECRET OLAVO - é uma novela policial, com cenários de Portugal e Brasil. Termina na Cidade de Guarabira, Paraíba, Brasil.

O PESCADOR DE PÉROLAS, é poesia romântica.

Preço, com oferta de despesas de correio:

Dentro de cada livro, seguirá a indicação de pagamento.

Para o Brasil 50 Reais

Para Portugal 12.50 €uros


 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

OS MEUS LIVROS



COMO ESCRITOR E POETA, APRESENTO OS MEUS LIVROS DE QUE, EU MESMO, ME CONSTITUÍ DISTRIBUIDOR. ASSIM OS MESMOS PODEM SER ENCONTRADOS EM LIVRARIAS POR TODO O PORTUGAL. ONDE OS PODE PROCURAR. TAMBÉM ENVIO PARA QUALQUER PARTE PAÍS OU ESTRANGEIRO, NOMEADAMENTE BRASIL. PEÇA OU CONSULTE: dan.costa@zonmail.pt
Telf.s 214007206 - 932795115
DEPOIS DE MIRAR OS LIVROS, LEIA TODO O MEU CURRICULO. 

                    
                         
                        
                   
               

             
           
             
                            

 


                           




COMO ESCRITOR

2010 - Publicou “LISBOA CAFÉ”, editado por Papiro Editora.
2010 – Publicou “AMOR NA GUERRA”, editado por editora Alfarroba, o qual motivou Conferência, a convite, no Museu da República e da Resistência, em Lisboa
2011 – Passaram a figurar três poemas seus, em Antologia, no livro brasileiro – “DUETO ENCONTROS DE POESIA”.
2011 - Publicou “POEMAS PARA UM HOMEM SÓ”, editado por Papiro Editora.
2012 – Publicou – POESIA AO RITMO DO OPTIMISMO – Editora Alfarroba
2012 – Publicou – ENCONTROS LUSO – BRASILEIROS DE POESIA – de co – autoria, em dueto com a poetisa brasileira Ma Socorro – Papiro Editora
2013 - Publicou TEJO NORTE - ensaio policial - Editora Alfarroba
2013 - Publicou SONHO EMOÇÃO E POESIA - Editora Alfarroba

Em edição: EU E VOCÊ  - POEMAS e a novela policial TOP SECRET OLAVO - Editora Alfarroba

ESTA REPRESENTADO EM VÁRIAS ANTOLOGIAS.

 
DADOS PESSOAIS

  • Nacionalidade – Portugal
  • Morada - Lisboa
  • Naturalidade – Bufarda / Atouguia da Baleia / Peniche
  • Data nascimento – 04/10/1940
  • Estado civil – casado
  • BI – 2581577 – 12/08/2004 – Lisboa

TRABALHADOR NO CAMPO

Até 1964, cavei (quando ainda se cavava a terra), trabalhei em sementeiras, ceifei, sachei, fiz todo o trabalho relacionado com a produção de vinho, etc.
Cavar vinha e ceifar, muitas vezes funcionavam, como que ao desafio, de sol a sol. Fiz parte de um restrito grupo de homens, a quem era difícil bater, na área do Oeste. Em tempos de aperto, éramos contratados a ganhar o triplo da generalidade. Aconteceu logo aos 17 anos.

De 1964 a 1975, já em Lisboa, tive 11 empregos. Por fim criei a minha própria Revista, a FRANQUIA, dedicada a assuntos do âmbito da filatelia. Devo dizer que obteve sucesso no Brasil, sobretudo na área de São Paulo, onde foi promovida, por Américo Tozzini, um grande amigo, no programa radiofónico “PULO DE GATO”, da Rádio Bandeirantes.



TRALHALHOS NA ÁREA JORNALÍSTICA

1973/1974 – Colaboração assídua no extinto “Jornal do Oeste” (Rio Maior). Com o pseudónimo de Miguel Foz – contos, poesia e outros.

1974 – Criação e direcção, sob o pseudónimo de Miguel Foz de FRANQUIA – Revista Filatélica Portuguesa. Terminou em 1977 com 37 números editados.

1972/1973 – Colaboração na Revista “F.N.” – Filatelia e Numismática, com o pseudónimo de Miguel Foz. Usando o definitivamente o nome próprio, do número 88 a 106 (término), forma efectiva, como consultor, a colaboração foi alargada a artigos, editoriais e entrevistas.

1983/1987 – Colaboração permanente na revista “Coleccionando”.

1994 (Janeiro) / 2007 (Maio) quando terminou, colaborador, dito correspondente de assuntos da filatelia nacional, da revista Crónica Filatélica da Afinsa, em Madrid.

1981/2001 - Edição e direcção de “FRANQUIA – Bolsa Jornal” – Guia de Oportunidades para Coleccionadores. Terminou no número 223.

1995 – Alguma colaboração no “Jornal da Amadora” (semanal). Passou a ser sistemática desde Setembro de 2005.

2006 – Colaborador regular (bimensal) em “Filnumis – O Guia do Coleccionador”

- Outras colaborações dispersas

Daniel Costa


Daniel Costa

http://www.tvi.iol.pt/videos/13845692

AO LEITOR RECOMENDA-SE ABRIR O LINK PARA TER ACESSO A UMA PASSAGEM DO ESCRITOR DANIEL COSTA, EM 16/04/2013 PELA TELEVISÃO. CONVIDO-O POIS A VER O QUE FOI UM AVC, DE ESTREMA GRAVIDADE QUE ULTASSEI.


Quarta-feira, 4 de Julho de 2012


O autor e professor René Pélissier na revista AFRICANA STUDIA , do Centro de Estudos Africanos, referiu duas obras da Alfarroba: "Alenterra" de Rogério Pires de Carvalho (2010) e "Amor na Guerra" de Daniel Costa (2010).